domingo, 12 de julho de 2009

Terra rara



Mesmo a emergência de vida unicelular é um mistério completo


No ano 2000, dois cientistas americanos publicaram um livro de extrema coragem intelectual: "Rare Earth -Why Complex Life Is Uncommon in the Universe" (Terra Rara -Por que a Vida Complexa é Rara no Universo). Nele, Peter Ward e Donald Brownlee argumentaram que, contrariamente às expectativas de muitos, a Terra é um planeta raro, e a vida, especialmente a vida complexa, mais rara ainda. Seu argumento é baseado na profunda relação entre a evolução da vida e o ambiente terrestre. Claro, suspeitava-se há muito que a vida depende de uma série de circunstâncias climáticas e geológicas. Mas nos últimos 20 anos, descobertas em várias áreas, da geofísica à astronomia, demonstraram que essa relação é crucial. Os avanços vão em duas direções. Por um lado, a descoberta de seres "extremófilos", bactérias capazes de sobreviver em ambientes tradicionalmente considerados extremamente hostis à vida, como o frio e o calor extremos, ausência de luz e oxigênio, ou ainda altíssimos níveis de radioatividade, mostram que a vida é extremamente maleável, ao menos no nível dos seres unicelulares. Com isso, ganhou força o argumento de que se procurarmos nos ambientes exóticos do nosso sistema solar, nas planícies áridas e expostas à radiação de Marte, no subsolo marciano, ou nos oceanos sob a superfície gelada de Europa, talvez possamos encontrar algo digno de ser chamado de vida. Dado que as leis da física funcionam pelo Universo afora, e que as estrelas forjam os mesmos elementos químicos pela vastidão do espaço, ao menos os ingredientes básicos da vida devem existir com certa facilidade. O consenso é que se acharmos planetas parecidos com a Terra, com água líquida e uma boa concentração de elementos químicos, alguma forma de vida alienígena será encontrada.

Ward e Brownlee não questionam isso. Por outro lado, o que vemos é que a vida na Terra passou por vários estágios de complexidade cada vez maior. Cada um desses "pulos" necessita de condições muito difíceis de serem reproduzidas com frequência. Mesmo a emergência de vida unicelular é ainda um mistério completo. Não sabemos como moléculas se organizaram para criar uma entidade viva. Mas digamos que esse processo seja relativamente fácil de ser atingido; afinal, o que vemos aqui na Terra é que os bombardeios cósmicos mais intensos cessaram há 3,9 bilhões de anos e os primeiros sinais de vida datam de 3,5 bilhões de anos, ou até 3,8 bilhões de anos. Bem rápido. O próximo passo, a formação das primeiras células procariotas, envolve também etapas desconhecidas. Esses seres reinaram sobre a Terra por quase 2 bilhões de anos, quando os seres eucariotos, ainda unicelulares, começaram a surgir. Esses dois tipos de criatura contribuíram para mudar o planeta. Por meio de uma fotossíntese simplificada, geraram o oxigênio que tornou possível o próximo passo, a formação de seres multicelulares. Entra a Terra. Sem gás carbônico na atmosfera, não seria possível regular a temperatura de modo a manter a água líquida por bilhões de anos. Sem a Lua, o ângulo de rotação da Terra em torno de si mesma variaria continuamente e as estações do ano não existiriam. Sem um campo magnético, seres vivos sofreriam doses letais de radiação do espaço. A lista é longa, e a probabilidade de encontrarmos planetas como a Terra é muito pequena. Se Ward e Brownlee estiverem certos, a vida complexa é uma raridade. A vida inteligente, mais ainda. Seria uma volta ao antropocentrismo da Antiguidade, mas com uma diferença fundamental. Agora sabemos por que somos importantes.

5 comentários:

  1. Dizer que a vida é rara se baseando num único sistema conhecido, o da Terra,é ser precipitado. O Universo, mesmo existindo outros, pode ser infinito. Portanto, podem ser infinitas as possibilidades!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. A Equação de Drake, proposta por Frank Drake em 1961, foi formulada com o propósito de fornecer uma estimativa do número de civilizações em nossa galáxia com as quais poderíamos ter chances de estabelecer comunicação.

    A Equação de Drake é formulada como segue:


    Onde:

    N é o número de civilizações extraterrestres em nossa galáxia com as quais poderíamos ter chances de estabelecer comunicação.
    e

    R* é a taxa de formação de estrelas em nossa galáxia
    fp é a fração de tais estrelas que possuem planetas em órbita
    ne é o número médio de planetas que potencialmente permitem o desenvolvimento de vida por estrela que tem planetas
    fl é a fração dos planetas com potencial para vida que realmente desenvolvem vida
    fi é a fração dos planetas que desenvolvem vida que desenvolvem vida inteligente
    fc é a fração dos planetas que desenvolvem vida inteligente e que têm o desejo e os meios necessários para estabelecer comunicação
    L é o tempo esperado de vida de tal civilização
    Embora isso seja apenas uma equação teórica, pode ser real. Nós temos muito o que aprender ainda, e também temos que deixar de sermos egocêntricos e pretensiosos.
    Tendo em conta que existe vida na Terra há mais de 3,5 bilhões de anos, pode dizer-se que nossa espécie é muito recente. Para uma avaliação mais clara, poderia fazer-se o seguinte paralelo: Se existisse vida há 10 dias, o homem teria aparecido no último minuto na África, há um segundo na Eurásia e Oceania, e apenas há 1/4 de segundo nas Américas.

    ResponderExcluir
  4. Estamos falando de vida orgânica.
    Mas uma consciência não poderia existir sem corpo?
    E se alguma civilização evoluiu ao ponto de transferir sua consciência para onde quiser?
    Bem, mas de todo modo essa mesma civilização teria que ter tido uma vida prévia e orgânica.
    Vamos acabar caindo num ciclo de especulações sem fim.
    Quem sabe não estamos caminhando para uma evolução desse tipo,ou seja,seremos mente apenas.
    Em tempo: sou fã de sua coluna, xará!
    Marcelo Marcolino.

    ResponderExcluir
  5. Considerando a estatística, creio ser improvável a não existência de vida complexa e inteligente em outros planetas de nossa galáxia, e mesmo em outras galáxias. A vida inteligente realmente é rara, inclusive em nosso planeta.

    ResponderExcluir