sábado, 29 de janeiro de 2011

Será que máquinas podem amar?


Qual o nível de sofisticação cognitiva necessário para uma criatura se apaixonar e sentir efetivamente o que é o amor?

FIM DE SEMANA passado, revi o clássico de ficção científica "Blade Runner: o caçador de androides", de 1982, baseado no livro de Philip Dick. O filme, dirigido por Ridley Scott e estrelado por Harrison Ford, passa-se em 2019, numa Los Angeles futurística. O enredo levanta questões sobre a relação homem e máquina que devem ser revisitadas. Pela perspectiva de 2011, a primeira coisa que notamos é como a visão de futuro do filme está errada.

Carros voam e Los Angeles, sob forte e constante chuva, está entupida de gente e sob noite eterna. Parece mais Xangai na hora do rush do que a ensolarada casa de Hollywood.

Todo mundo fuma, até os androides. Difícil entender porque alguém queira viver por lá. Mas o filme gira justamente em torno da vida: do desejo de se estar vivo.

O casamento da engenharia genética com a inteligência artificial atingiu um nível de sofisticação que hoje não passa de um sonho. Várias corporações produzem robôs/clones chamados replicantes. A Tyrell Corp., controlada pelo cientista Eldon Tyrell, tem como slogan "replicantes genéticos: mais humanos do que os humanos".

Mas os androides foram banidos da Terra e trabalham como escravos em colônias do sistema solar. O enredo revolve em torno de quatro replicantes perigosos, que escaparam e se escondem no caos da cidade.

Voltaram à procura de seu criador, Dr. Tyrell, para convencê-lo a aumentar seu tempo de vida, que é limitado a quatro anos. Máquinas tocadas pela vida querem viver mais: primeiro tema importante.

Enquanto isso, Dr. Tyrell desenvolveu um novo projeto: Rachael, uma replicante belíssima que não sabe se é humana ou máquina.

Tyrell implantou memórias em Rachael, usando a vida da sua sobrinha. Orgulhosa, Rachael mostra a foto de quando tinha seis anos, ao lado de sua "mãe". Quando você tem um passado, já não é mais um robô: outro tema importante.

Ford é um "blade runner", um destruidor de replicantes. Ele submete Rachael ao teste de Voigt-Kampff (fictício) que determina se uma criatura é humana ou não.

Mas os resultados são ambíguos. Temos o Teste de Turing, que tenta discernir entre humanos e computadores através de perguntas feitas em terminais. O assunto é controverso, mas algumas máquinas já conseguem enganar humanos.

No filme, os androides são inteligentes e belíssimos, quase deuses. Ford se apaixona por Rachael, e a ensina a "amá-lo" de volta. Ou iludi-lo que o ama. Qual o nível de sofisticação cognitiva necessário para uma criatura sentir amor?

Existem inúmeros exemplos na literatura de humanos que amam autômatos ou humanoides: Pigmalião se apaixona pela estátua que esculpiu; no conto de Hoffmann, Nathanael se apaixona pela autômata Olímpia; Geppetto e Pinóquio etc.

Muita gente já procura a companhia de robôs. No Japão, androides são criados para fazer companhia aos idosos solitários, crianças brincam com robôs e bonecas sexuais custam milhares de dólares.
Se as pessoas carentes se contentam com menos, enquanto robôs ficam cada vez mais "humanos", não é difícil antever futuras uniões entre humanos e máquinas. Mas quando, então, deixaremos de chamá-los de "máquinas"?

11 comentários:

  1. Olá.
    Ainda não assisti esse filme "Blade Runner: o caçador de androides" mas depois de ler esse texto com esse belo resume fiquei interessado, vou ver logo logo.
    valeu

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo excelente artigo, Marcelo.

    O filme é realmente um clássico, a pesar de datado e equivocado nos detalhes, o argumento principal continua válido (eu diria o mesmo de "2001, uma Odisséia no Espaço", este ainda mais elaborado e impressionante, inclusive nos detalhes).

    Outro aspecto que me chama atenção nesse filme é a arquitetura grandiosa (lembra o Egito Antigo) da sede da corporação de androides.

    A ideia do teste de turing pode aparecer, novamente, em 2011 em razão do impressionante desempenho do Ibm Watson no Jeopardy! .

    http://fabulosofuturo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. JOÃO GUILHERME CARVALHO30 de janeiro de 2011 08:58

    eu assisti e realmente me encantei na época com o filme, mas hj eu vejop que ofilme tem mais meritos estéiticos, pode-se considerar pela sua construção um filme NOIR. Hj como graduado em engenharia eletronica eu penso na impossibilidade de se criar vida inteligente e no grau de sofisticação que o filme retrata.Fisicamente e tecnologicamente impossivel! Então o amor que o personagem cria pela replicante pode até ser "compreendido" porque ela é perfeita! E este grau de perfeição como eu disse antes faz parte do imaginário dos escritores de ficção cientifica.Um androide que tem lagrimas! Indo mais além como seria uma provavel relação sexual! è um excelente filme , mas uma idéia absurda.Só poderia ser vista como simbólica eu penso.

    ResponderExcluir
  4. onde acho sua coluna no jornal ?

    ResponderExcluir
  5. Clássico.
    Um dos melhores filmes que já assisti, com lindíssimas cenas "noir" muito valorizadas pela excelente trilha sonora.

    O diálogo final entre Deckard e Roy é simplesmente antológico.
    Imperdível.

    ResponderExcluir
  6. Marcelo...

    Devo te dizer que sua visão é uma raridade no meio científico atual. Literalmente você me fez ver que é possível ter uma visão séria com qualidade além destes dois extremos. O sentido de espiritualidade, da intuição e da criatividade deveria andar de mãos dadas com a racionalidade. Parece que estamos perdendo mais e mais disso, caindo em extremos dualistas. Este ser chamado homem, tão avançado em sua tecnologia e ainda tão ignorante sobre si mesmo.

    ResponderExcluir
  7. Blade Runner é um excelente filme (vejam a versão integral do diretor - que não é a embabacada por Hollywood)!
    Mas mais importante que as questões sobre afeto, são as questões sobre finitude.

    Aparece no diálogo final de Deckard e Roy um lapso de inconformismo em relação 'ao fim' que pode dar margem a discuções sobre porque necessitamos de bobagens como criadores, sentido, etc.

    ResponderExcluir
  8. Com o devido respeito, mas eu me pergunto se é mesmo Marcelo Gleiser que produz esses textos. Alguem poderia me dizer em qual jornal ele é colunista (acho q é colunista mesmo), ou em q revista, ou em q site....?

    ResponderExcluir
  9. João Guilherme de C junqueira2 de fevereiro de 2011 15:16

    Realmente a trilha sonora é fantastica. Foi composta por VANGELIS.
    Eu estive pensando um pouco mais sobre o assunto e acredito que o ser humano já se apega a algo não humano.
    è o que se chama de iconoclastia. Imagens de santos ou duses não trazem conforto espiritual a muitas pessoas! Õu mesmo bichos de pelúcia. Mas eu acho que estamos longe de BLADE RUNNER. Muito longe.

    ResponderExcluir
  10. Me fez lembrar de outro filme Homem bicentenário, também nos questiona sobre esse assunto.

    ResponderExcluir
  11. "Amor é prosa.Sexo é poesia" Arnaldo Jabor

    Enquanto o professor Marcelo Gleiser assistia o filme Blade Runner, minha vizinha Sandra fez uma fileira com milho e continuou
    intercalando com pedras, terminando a fileira só com pedras. Uma galinha comeu todo o milho e também as pedras. Conclusão: a mente de muitos homens é semelhante à das galinhas, pois não conseguem discernir amor e sexo humano com o dos andróides. De qualquer forma, esta conotação serve para selecionar os que realmente querem encontrar uma resposta para "A Pergunta". Na minha opinião, a pulsação esférica explica a dualidade onda-partícula. Por quê?
    O termo Onda da Física Quântica é como o deus das religiões. Não passa de poesia.

    ResponderExcluir