domingo, 9 de maio de 2010

O porquê e o como


Será que a ciência pode explicar o propósito das coisas?



Na famigerada guerra entre ciência e religião, uma distinção comum é afirmar que a ciência explica "como" as coisas são e não o "porquê". Mas vale a pena pensar: será que esse é realmente um modo eficiente de discriminar entre ciência e religião? Ou será que confunde as coisas ainda mais? 

Para chegar a uma conclusão, talvez seja uma boa ideia começar ilustrando essa distinção com alguns importantes exemplos históricos. Quando Galileu afirmou que objetos em queda livre são acelerados em direção ao chão independentemente de suas massas, não estava preocupado em questionar o "porquê" de os objetos caírem, mas sim o "como". 

Através de experimentos detalhados, mostrou que a distância percorrida por um objeto em queda é proporcional ao quadrado do tempo que ele gasta no percurso, obtendo assim a primeira relação matemática descrevendo um movimento que acontece por causa da gravidade terrestre. 

Cerca de 80 anos mais tarde, Isaac Newton elaborou sua importante lei da gravitação universal. Ele mostrou que dois objetos com massa se atraem com uma força que se reduz com o quadrado da distância entre eles. 

Logo após a publicação do livro, algumas pessoas fizeram críticas a Newton. Elas afirmavam que essa misteriosa "ação à distância" entre o Sol e a Terra ou entre a Terra e a Lua (ou entre você e seu computador ou jornal) tinha algo de sobrenatural, alguma coisa meio fantasmagórica. Newton, então, respondeu: "Ainda não pude descobrir a causa dessas propriedades da gravidade a partir de fenômenos, e não arrisco qualquer hipótese, pois o que não é deduzido de fenômenos deve ser chamado de hipótese, e hipóteses não pertencem à filosofia experimental." 

Ou seja, hipóteses que não podem ser testadas não são científicas. Portanto, se não temos nada testável a dizer sobre o porquê da atração gravitacional entre duas massas, é suficiente usar a teoria da gravidade para descrever a atração entre as massas sem explicar por que ela ocorre. 

Newton usou sua teoria para prever o retorno do cometa Halley, explicar as marés, entender o formato achatado da Terra, calcular a precessão dos equinócios, e muito mais. 

Essa abordagem de Newton acabou por definir a ciência do "como". Realmente, é difícil contemplar a ciência operando de uma forma diferente. 

Atribuir causas ocultas a fenômenos naturais, eventos que não podem ser verificados experimentalmente, não acrescenta nada à descrição científica desses fenômenos. 

Podemos incluir também a teoria da relatividade geral de Albert Einstein. Ele mostrou que a atração entre corpos com massa pode ser interpretada como consequência da curvatura do espaço em torno deles. 

Mas, mesmo aqui, não sabemos por que os objetos encurvam o espaço à sua volta. Porém, resolvendo as equações da teoria, podemos descrever o quanto ele é encurvado e como objetos se comportam nessa geometria. 

Será que a ciência poderia explicar o porquê das coisas? Focando na física, me aventuro a dizer que não poderia. Arrisco até dizer que questões do tipo "por que" sequer conseguem chegar a ser científicas. 

Se o porquê significa propósito, a física tem pouco a colaborar. Podemos validar experimentalmente as leis da natureza, como "energia é conservada", mas não sabemos por que ela é, afinal, conservada. 

Se você afirmar que caso contrário não estaríamos aqui, não estará dizendo muita coisa. A ciência já é bem complexa se ocupando só com o "como" das coisas. Para o porquê, temos todo o resto. 

11 comentários:

  1. Roberto Berlinck9 de maio de 2010 07:31

    Oi Marcelo.

    Muito bom texto. Extremamente didático. Seria realmente legal ter mencionado o termo "teleologia" para relacionar ao "porquê" das coisas serem do jeito que são. Mas, enfim, pode ser assunto para um próximo texto.

    cordialmente,
    Roberto Berlinck

    ResponderExcluir
  2. Marcelo,

    Compartilho com você muito das ideias. Celebrar o connhecimento. Sou economista e psicanalista vamos dialogar sobre as coisas do mundo e do humano.

    Abraços

    Galvao

    www.galvaoconsultoria.com.Br.

    ResponderExcluir
  3. A ciência é um atributo da condição humana, assim como o sentimento de Deus, a arte, a diversão, a filosofia... Por que o homem briga consigo mesmo? Essa guerra é uma distorção histórica pela maldade humana – outro atributo. As pessoas confundem as leis da natureza com a ciência, e Deus com a religião. A ciência nos concilia com a natureza, e Deus nos faz livres de uma simples condição natural. Viver, Amar, é o que nos resta.
    Poliana M. Oliveira

    ResponderExcluir
  4. Muito bom este post, até como espelho a crítica. Permita-me:
    evolução acontece não como resposta às exigências da sobrevivência, mas como um jogo criativo e necessidade cooperativa de um universo todo ele evolutivo.
    LEMKOW, A. F.: 183

    ResponderExcluir
  5. ILHA DAS ÁGUIAS
    by Ramiro Conceição


    Cantam cantos antigos
    que o Mal é ardiloso
    e que, sedutor, ilude a platéia
    que, por ter os caninos escuros
    com sangue de assassinatos cometidos,
    não percebe  por medo  a insensatez.

    Cantam sonhos longínquos
    que o Mal é a raiz da culpa
    que impede esta monada,
    desde a tenra idade,
    à iluminação, à Humanidade,
    ao cuidado desta Terra única.
    Cantam que tudo em nós é fruto
    duma moral hipócrita e repressora
    e que tudo sempre termina
    num medíocre e terrível engano
    colossal de templos e religiões:
    uma manada de anões primatas,
    bambos, prontos pra assassinar
    quem ouse à alegria de duvidar.

    Cantam cantos modernos
    que a nossa civilização
    judaico-cristã-muçulmana,
    por ser estupidamente desumana,
    possui a face dum quadro de Picasso:
    o lado esquerdo em cisalhamento ao direito
    tal qual o desespero em gritos dos ciprestes
    destorcidos das telas de Van Gogh…

    Cabe aqui uma pergunta.
    Fomos, somos e seremos somente
    caretas, caricaturas e canalhas
    dum bando de micos amestrados?

    Cabe aqui uma resposta.
    Acreditem!
    Por herança da evolução,
    somos um milagre repleto
    de coragem.
    Mas coragem pra quê?!
    Para cantar e permitir
    a continuidade da vida
    nesta casa bendita.

    Portanto canto
    e declaro claramente
    que somos parte
    das consciências do futuro,
    do passado e do presente
    em processos de passagem;
    canto e declaro
    claramente que a diferença
    entre um bem-te-vi e Einstein
    é simplesmente a maneira
    diferente do bater de asas.

    O amor é o senhor da Terra!
    E não há diferença qualquer
    entre a mulher, que nos braços
    seus filhos queridos abraça,
    e o Sol, que com nove braços
    seus filhos queridos entrelaça
    (Plutão não é um bastardo!).

    Dizem que sou de aquário
    pois ao sonhar às vezes rio,
    a crer que do nosso aguadeiro
    florescerá a sinfonia do amor
    que será cantada e amada
    em estelares línguas claras.

    Porém, confesso: sou um contumaz
    devorador de astrólogos à milanesa
    regados — é claro— à muita cerveja.
    Contudo, lúcido, continuo a declarar
    que o amor não necessita de templos
    e que nunca será de pouquíssimos:
    pois Beethoven canta no uirapuru!

    À frente
    das minhas asas,
    dança com graça
    a Ilha das Águias...
    Lá,
    elas procriam...
    De lá,
    elas vigiam...
    De lá,
    vêm
    o início
    e o fim...

    Eu vim... de lá!
    Pra profetizar, instaurar e mediar
    toda a forma de amar que está ali,
    na estelar sala de estar e, aí,
    dentro do teu amor, caro Leitor.

    ResponderExcluir
  6. Dr. Marcelo,

    Como está postado neste Blog "A ciência liberta o homem de ter medo do desconhecido". Acrescento que ela também ajuda a libertar o homem do medo do conhecido que são nossas crenças (principalmente religiosas), nossas ideologias, nossa ignorância, nossos preconceitos,etc. "O homem é um animal em fuga, fuga do conhecido,da vida, e dessa montruosa civilização que ele criou, como também do desconhecido, da morte e do que advirá depois dela, para os que creem"

    ResponderExcluir
  7. Dr. Marcelo,

    Como está postado neste Blog "A ciência liberta o homem de ter medo do desconhecido". Acrescento que ela também ajuda a libertar o homem do medo do conhecido que são nossas crenças (principalmente religiosas), nossas ideologias, nossa ignorância, nossos preconceitos,etc. "O homem é um animal em fuga, fuga do conhecido,da vida, e dessa montruosa civilização que ele criou, como também do desconhecido, da morte e do que advirá depois dela, para os que creem"

    ResponderExcluir
  8. Concordo em grande parte, mas acho que o "porque" não interessa.

    Por que os fenômenos naturais, e aí evidentemente incluo a vida, deveriam ter alguma razão?

    Acho uma bobagem de 'desesperados' tentar achar "propósitos" para os fenômenos naturais. Uma espécie de busca patética do "sentido da vida" (acho mais divertido o filme com esse nome do Monty Python!).

    ResponderExcluir
  9. "o como" é objetivo, não tem propósito, não tem opinião, não tem gosto/não gosto, não tem preferência, não tem simpatia/antipatia, não tem raiva, não tem sentimentos...

    "o porquê" é subjetivo, refere-se a coisas de si, íntimas, é pessoal, é sentimental, é a razão pessoal, é significativo, cria sentidos pessoais a partir de acumulos de experiencias vividas...

    ResponderExcluir
  10. A religião é composição grega, dentro da visão dialética. A ciência veio pelo mesmo tronco, quando os manuscritos de Platão foram contrabandeados à Florença, para servir aos papas da Renascença.Foi só adaptar a idéia ed Deus como Grande Arquiteto; portanto, inigualável matemático. A razão provem de ratio, que significa o ingresso de números. O Universo não foi informado sobre algarismos. A realidade flui pela ética, por causa da eternidade. Nada se faz calculável.

    ResponderExcluir
  11. Nós estamos mergulhado no magma de DEUS, nada além da vontade DELE, PASSARA desapercebido, pesquisando.
    encontrei em apócrifos de Pedro o seguinte.
    SUGESTÃO.
    INTRÍNSECO, palavra SUGÊNCIA
    1-SUgestão -sugerir
    2-GEnoma -DNA - Ciência
    3-CIA- CIência É as três energias que o Demônio Utilizou para destruir a Humanidade e enganar os Homens, dando-nos a Idéia pela Ciência, pensarmos que somos DEUS.
    TUDO QUE O DEMÔNIO QUERIA, PARA DESAGRADAR A DEUS.
    E OLHE O QUE NÓS ESTAMOS FAZENDO, COM ESSAS ENERGIAS.
    SUGESTÃO = Poder do Pensamento
    DNA = Alterar nosso Código Genético
    Ciência = por manipular-mos a matéria pensamos que podemos TUDO.

    ResponderExcluir